Exemplos que contagiam: porque ler a vida de santos faz nós imitar-lhes.

"Procura assegurar-se da intercessão dos Santos, pela imitação de suas virudes, pois, se com eles praticares a virtude, com eles poderás um dia gozar da glória eterna." (São Leão)

Santa Teresa D´Avila †1582
15 de Outubro

Acostumada desde pequena a leitura de bons livros, o espírito da menina não conhecia maior encanto que o da vida dos santos mártires. Tanto impressionou esta leitura que, desejosa de encontrar o martírio, combinou com o irmão a fuga da casa paterna, plano que realmente tentaram executar, mas que se tornou irrealizável, dada a vigilância dos pais.

Teresa que fugiu de casa, para se internar no mosteiro das Carmelitas em Ávila. No meio do caminho lhe sobreveio uma grande repugnância pela vida religiosa e por pouco teria desistido da idéia. Vendo em tudo isto uma cilada do inimigo de Deus e dos homens, seguiu resolutamente o caminho, e ao transpor o limiar do mosteiro, os receios e escrúpulos deram lugar a uma grande calma e alegria de coração.

“Quisera sobretudo, derramar meu sangue por ti até a última gota. O martírio, eis o sonho de minha juventude. E este sonho cresceu comigo nos claustros do Carmelo”. “Jesus, Jesus, se quisesse escrever todos os meus desejos, ser-me-ia preciso emprestar o livro da vida onde são relatadas as ações de todos os santos, e essas ações quisera tê-las realizado por ti”.
(Santa Teresa)

Santo Agostinho
Quando estava se convertendo, recebeu a visita do amigo Ponticiano, que lhe contou a vida de Santo Antão. Foi hora da graça triunfar. Agostinho confessa que, ao conhecer a vida do grande eremita, ficou profundamente comovido e tão forte foi esta comoção, que se viu tomado de verdadeiro horror do pecado. "O que eles(santos) conseguiram será para mim coisa impossível?" (Santo Agostinho)

São Félix de Cantalício, imitando a São Francisco, seu pai espiritual, chamava o corpo "o irmão burrinho", dando-lhe o tratamento correspondente a pão e água e descanço numa dura táboa.

O martírio de Santa Bárbara † séc. III e Juliana.

Na época dos séc. III e IV o cristão que não se convertesse ao paganismo seria julgado até ser morto.
Santa Bárbara havia sido flagelada duas vezes e depois insultada nua no meio da multidão no qual depois foi levada para a morte. Seu pai, que era pagão, deu o último golpe que a matou. E após, uma mulher de nome Juliana, que tinha visto as cenas horripilantes do martírio de Santa Bárbara, apresentou-se ao governador (pagão), com a declaração de ser cristã e de ter o desejo de morrer como Bárbara morreu. Foi fácil atende-la, e no mesmo dia Deus lhe concedeu a palma do martírio. O corpo de Juliana descansou ao lado de Bárbara, com a alma da qual entrou triunfante no céu. O pai de O pai de Bárbara morreu fulminado por um raio durante uma tempestade naquela ocasião.

 

Você busca a santidade?


Veja então que é importante ler e contemplar a vida dos Santos porque nos motiva:

- A pessoa ver que não é apenas ela que faz tanta obra de oração, sem essa orientação ela já acha que qualquer coisa que reza já é muito.

- Se eles conseguiram, penso então que poderei conseguir bem mais do que penso conseguir hoje.

- Verá também que Deus terá realmente o poder imenso de multiplicar graça conforme os nossos esforços de fé.

- Que santidade é mais do que cumprir horários.

- Que eles falavam do que conheciam e experimentavam, não eram simples transmissores da Palavra.

- Que não somos dignos de reclamar muito da nossa cruz.

- A estarmos junto com eles mesmo estando no céu.


Data: 04/03/2011

Este artigo foi útil?
Sim Não

Siga o Twitter do site
Envie por email, adicione aos favoitos, imprima e compartilhe com outras redes sociais:
-->

Faça comentários:


  Sobre o site | Mapa do site | Ajude o site | Contato | 2011 - Site Católico e Apostólico Romano. Criado em 2005