Cientista questiona teoria da evolução de Darwin

Segunda, 13 de fevereiro de 2006, 19h02 Atualizada às 19h03 www.terra.com.br

Cientistas disseram ter encontrado evidências que indicam ser improvável que a vida teria começado "numa poça morna", como tinha sugerido o pai da teoria da evolução, Charles Darwin. Testes realizados em poças vulcânicas, por uma equipe da Universidade da Califórnia, sugeriram que estas não davam condições para permitir o surgimento de formas de vida.

Essa descoberta será apresentada e discutida nesta terça-feira em uma conferência de dois dias sobre a origem da vida na Terra, na Royal Society, em Londres, a academia de ciências da Grã-Bretanha.

O chefe da equipe da Universidade da Califórnia, o professor emérito de Química David Deamer disse: "Já fazem 140 anos desde que Darwin sugeriu que a vida pode ter começado em uma 'poça morna'. Estamos testanto a idéia dele, em pequenas poças em regiões vulcânicas em Kamchatka, na Rússia, e Mount Lassen, na Califórnia".

"Os resultados são surpreendentes e, de certa forma, desapontadores. Parece que as águas ácidas quentes da lama não fornecem as condições adequadas para que componentes químicos se transformem em 'organismos pioneiros", disse ele.

Deamer disse que aminoácidos e DNA, dois componentes básicos na formação da vida, e fosfato, outro ingrediente essencial, se prendem à superfície de partículas do barro nas poças vulcânicas. "Isso é significativo porque havia a pressuposição de que barro promove interessantes reações químicas ligadas à origem da vida", explicou ele.

"Entretanto, nos nossos experimentos, os componentes orgânicos ficaram tão grudados às partículas de barro que não poderiam fazer parte de qualquer reação química."

Outras teorias
Apesar dos avanços da ciência, a explicação para o surgimento da vida ainda não foi encontrada. A conferência em Londres, que vai reunir mais de 200 prominentes cientistas internacionais, também vai discutir outras teorias, como a possibilidade de a vida ter sido trazida do espaço.

"Acredita-se que a vida tenha surgido numa sopa rica em componentes carbônicos, mas de onde vieram essas moléculas?", disse o Dr. Max Bernstein, do Instituto Seti, nos Estados Unidos. Ele acredita que a resposta possa estar na poeira interestelar, e vai falar sobre a possibilidade de um cometa ou asteróide ter trazido à Terra os ingredientes necessários para o surgimento de vida.

Os cientistas também vão discutir se pode haver vida em outros planetas. A professora Monica Grady, da Open University do Reino Unido vai explorar a possibilidade de vida ter existido em Marte. Ela vai examinar a hipóptese de uma biosfera ter existido no planeta, através de pesquisas feitas da química de carbonos de Marte.

O professor Ian Smith, da Universidade de Cambridge, organizador da conferência, disse : "Tentar entender como a vida emergiu na Terra em algum ponto nos 1000 milhões de anos desde sua formação é um problema científico fascinante e um passo essencial para prever a presença de vida em outros pontos do universo".

--------------------------------------------------------------------

Uma grande contradição de nossos tempos em que prefere-se acreditar em vida no espaço (algo que nunca se viu ou provou) do que em Deus e seus sinais, mesmo que aparições e visões do sobrenatural sejam mais freqüente, vistos e investigados pela ciência.



Este artigo foi útil?
Sim Não

Envie por email, adicione aos favoitos e compartilhe com outras redes sociais, com esse serviço seguro e conhecido:
Faça comentários:
  Sobre o site | Mapa do site | Ajude o site | Contato | 2011 - Site Católico e Apostólico Romano. Criado em 2005