Cristão não pode praticar Yoga

Em linguagem hinduísta, a palavra yoga significa a união do homem aparente, tal como o conhecemos, com a realidade profunda que se acha latente dentro de cada indivíduo, o eu divino. O budismo no qual surgiu do hinduísmo, afirma que todos os seres humanos são Budas (iluminados ou “ungidos”), mas nem todos despertam para sua verdadeira natureza. Ioga, literalmente, significa ‘união'. Na Bíblia já alerta sobre essas doutrinas em que cada um acha que pode ser um “ungido” (cristo), um ser divino: “E se então alguém vos disser: Eis, aqui está o Cristo; ou: Ei-lo acolá, não creiais.” (Mc 13,21). São doutrinas panteístas. Panteísmo é um falso conceito sobre Deus, ensina que tudo (pan, em grego) é Deus (Théos, em grego). O panteísmo afirma que dentro do ser humano existe uma centelha da divindade, afirmando então que o homem é Deus, nada mais ego-centrista do que se achar Deus, isso só aumenta o orgulho desumano, onde cada um procura ser superior e pouco se preocupar com o outro, seria uma auto-salvação. E na Bíblia alerta: “Quando não passas de um homem e não és um deus, tu te julgas em teu coração igual a Deus.” (Ez 28,2).

Para se chegar ao eu divino, o yoga se pede o esvaziamento da mente, uma meditação que não tem nada a ver com a meditação cristã que é reflexão e aprofundamento de um tema. A meditação, para o hinduísta (ou iogue), é o esvaziamento da mente, e dos sentidos para entrar em contato com o eu interior que segundo eles possui natureza divina. Diferente do cristianismo onde o Espírito Santo que habita em nós é uma pessoa distinta do nosso eu, no qual nós não temos essência divina.

No yoga se faz alongamento e exercícios físicos e respiratórios no qual relaxará o físico, controlará talvez o stress e a ansiedade, mas a pessoa pensará que está relaxando a alma, tampouco estará resolvendo os verdadeiros problemas que causam o stress, porque a alma continuará com sede, coisa que nenhum exercício físico vai poder saciar. A armadilha então está em a pessoa ser iludida de que estará cuidando do corpo e da alma ou corpo e mente como resultado da união com o suposto eu divino. Quando na verdade é devido aos tais exercícios físicos, apenas o corpo está sendo saciado momentaneamente.

Essas filosofias orientais são na verdade uma essência de religião (o nome filosofia é só marketing ), que vêm de mansinhas, nós acabamos pensando ser uma simples filosofia de vida, começam colocando de que a eficiência dos exercícios físicos estaria ligado a filosofia pagã do eu divino hinduísta.

Bom que o católico não participasse disso para não dar mau exemplo, e usasse o terço que é o que mais acalma as pessoas pelo que tenho visto entre ex-drogados por exemplo.

Angelo
Sinaisdostempos.org



Este artigo foi útil?
Sim Não

Envie por email, adicione aos favoitos e compartilhe com outras redes sociais, com esse serviço seguro e conhecido:
Faça comentários:
  Sobre o site | Mapa do site | Ajude o site | Contato | 2011 - Site Católico e Apostólico Romano. Criado em 2005