Sobre os escandalos: Uma minoria reflete a Igreja?

Uma minoria reflete a Igreja?

Estavam falando que a Igreja não tem condições de pregar a moralidade ao mundo por causa dos escândalos de uma minoria.
Não é por causa de uma minoria que a Igreja perde a credibilidade de ensinar moral. A Igreja Católica tem uma experiência de 2000 anos ensinando e praticando a moral, inúmeros exemplos de santos, religiosos e leigos. Foi ela quem tirou a sociedade do comportamento bárbaro do império romano e de povos bárbaros, e restabeleceu a paz no mundo onde só havia conflitos. Foi a Igreja Católica quem ensinou aos governantes de várias épocas a terem bom comportamento, ou seja, a serem virtuosos porque os ensinamentos da Igreja sempre falam em virtudes.  A doutrina moral da Igreja é infalível, mas os seus pastores são seres humanos que podem cometer erros e não aplicar a doutrina.

Mostrou a verdadeira caridade que fundou instituições e hospitais em que nenhuma outra instituição ou Estado tinha feito antes. Foi a Igreja que tirou o homem da escravidão dos instintos na antiguidade (período que antecede a idade média católica) e deu a ele a dignidade de ser humano. Só ela da ao homem vários meios de arrependimento. Introduziu a dignidade da mulher e da criança, antes em nenhum lugar do mundo mulher podia dirigir escolas, hospitais e etc. No mundo antigo o adultério era apenas culpa das esposas, o homem não era culpado de adultério, a Igreja equalizou o pecado para os dois.

Galeno o medico grego do século II, impressionou-se tanto com a retidão do comportamento sexual dos cristãos, que os descreveu como “tão adiantado em autodisciplina e no intenso desejo de atingir excelência moral, que em nada são inferiores aos verdadeiros filósofos”

A minoria que se desviou, se desviou nesta época de muitos desvios sexuais, e se reflete em muitos crimes sexuais. E ainda nem se compara a taxa de incidência de pedofilia em homossexuais. Um professor não católico, Philip Jekins, publicou uma tese de que a proporção de clérigos com desordens sexuais é menor na Igreja Católica que em outras confissões.

Época relativista que diz que os impulsos sexuais não devem ser reprimidos nem estabelecer muitas regras sobre eles. Criando assim seres humanos perigosos (como o ser humano pouco se conhece, senão nas cadeias não haveriam criminosos arrependidos) escravizados pelos instintos, que podem contaminar até os médicos e enfermeiros (guardam a doutrina da igreja) que teriam o antídoto para essa geração. O antídoto continua na Igreja, mas acham a embalagem dele muito antiquada.

Angelo Farias

 

---

Vou acrescentar um texto do escritor e jornalista católico já falecido GK Chesterton:

“Em suma, sinto falta, em tudo isso, da pergunta óbvia: qual o resultado que obteremos se compararmos a Igreja com o “mundo” que está fora dela, ou que se opõe a ela, ou que nos é oferecido como uma alternativa para a Igreja? E a evidente resposta é que o “mundo”comete todas as barbaridades de que sempre acusou a Igreja, e as comete de maneira muito pior, e as comete em escala muito maior, e – e isto é o pior e o mais importante – as comete sem dispor de padrões para voltar à sanidade nem de motivos para fazer um movimento de penitência. Os abusos católicos podem ser reformados, porque dispomos de uma forma universalmente aceita; os pecados católicos podem ser expiados, porque há um teste e um princípio de expiação. Em que outra parte do mundo de hoje havemos de encontrar semelhante teste ou padrão?”

“(...) Não há uma única falta institucional imputada à Igreja Católica que não esteja presente de maneira muitíssimo mais flagrante, e até gritante, em qualquer outra instituição – o Estado, a Escola, a moderna máquina tributária e policial – que as pessoas se voltam, na esperança de que serão salvas por elas da superstição dos seus pais. Esta é a contradição, esta é a violenta colisão, este é o inevitável desastre intelectual em que estão envolvidas até as orelhas.”

Fonte: http://www.quadrante.com.br/Pages/servicos02.asp?id=189&categoria=Cultura&tubcategoria



Este artigo foi útil?
Sim Não

Envie por email, adicione aos favoitos e compartilhe com outras redes sociais, com esse serviço seguro e conhecido:
Faça comentários:
  Sobre o site | Mapa do site | Ajude o site | Contato | 2011 - Site Católico e Apostólico Romano. Criado em 2005