Depressão e remédios - quem curará?

Veremos nesta reportagem que remédios não satisfazem o homem, porque ele é mais do que um conjunto de trocas químicas, e sua felicidade se baseia em mais além do que momentos imediatos de prazer, assim o que lhe curará.

---

Coquetel da felicidade

O uso abusivo de antidepressivos e outros medicamentos para alívio de estados de espírito, confundidos com sintomas, cria a ilusão de bem-estar e, ao mesmo tempo, um distanciamento da realidade e é aí que mora o perigo

Fonte:
http://claudia.abril.com.br/materias/2449/?sh=33&cnl=43
Veículo: Revista Cláudia
Seção: Beleza e Saúde
Data:16/07/2007
Estado: SP

Em três ocasiões, a bióloga Mariana, 32 anos, separada, duas filhas, buscou refúgio nos antidepressivos. A primeira vez foi quando o psiquiatra do marido lhe receitou fluoxetina (princípio ativo de medicamentos como o Prozac). Os dois tinham uma relação difícil, ela foi ao consultório para fazer terapia de casal e saiu com a receita do remédio. "Tomei por quatro meses, me sentia bem. Mas, quando algo me irritava, a explosão era desproporcional" Na gravidez da segunda filha, enfrentou uma depressão leve, e seu obstetra lhe prescreveu cloridrato de sertralina (Zoloft). Tomou na gestação e nas primeiras semanas após o parto. "Como a nenê chorava o dia inteiro, o pediatra desconfiou que fosse irritação pela droga. Preocupada, parei de uma vez. Durante 15 dias passei mal." Mariana procurou outro psiquiatra, que prescreveu escitalopram (Lexapro). "Usei por um ano. Fiquei passiva, nada me abalava. Soube que meu marido me traía e nem reagi. Com a ajuda da psicanálise, fui percebendo que vivia de mentirinha. Estava anestesiada. Resolvi pôr um ponto final; larguei o remédio aos poucos. Quando voltei a ser eu mesma, pedi a separação. Dói, mas quero sentir essa emoção. Em vez de lidar com as dificuldades, apelava para os remédios. Chega de me iludir!"

Comentário do site: "Quando um membro da família vai mal, acaba interferindo nos outros, porque desequilibra o convívio familiar que chega ao nível espiritual, o marido nesse caso por meio da traição se confiou no pecado e sua mulher carregou a cruz por ele, mas que mais tarde ele prestará contas, e para não correr o risco de grande condenação é que a mulher carregou certa cruz por ele."


Não se trata de um caso isolado. O aumento do uso de drogas psicotrópicas, que alteram o comportamento e o humor, a partir do advento da fluoxetina, em 1988, está gerando uma multidão de alienados , alerta o anestesiologista americano Ronald W. Dworkin. No livro FELICIDADE ARTIFICIAL (EDITORA PLANETA), ele critica a falsa sensação de felicidade proporcionada pelos remédios: "As pessoas conseguem não se sentir miseráveis mesmo quando sua vida é miserável". O autor condena a tendência de suprimir a tristeza do cotidiano. "Quanto tocamos uma chapa quente, sentimos dor e recuamos; não fosse pela dor, continuaríamos tocando a chapa. O medo e a infelicidade são igualmente protetores. Eles nos sinalizam que há algo errado." Para ele, a felicidade artificial elimina o impulso de mudança. "Usar medicamentos para lidar com questões existenciais cria uma ilusão de bem-estar", diz a filósofa clínica Monica Aiub, professora do Centro Universitário São Camilo, em São Paulo. "A dor não traz necessariamente crescimento, mas pode ensinar. Percebemos o que não vai bem e nos reestruturamos. Essas ações tornam-se inviáveis se a pessoa fica entorpecida."

Comentário do site: As pessoas ficam impedidas de buscar a verdade sobre suas vidas porque são dopadas por uma falsa sensação, o relativismo que atinge o mundo hoje exalta essa felicidade imediata, onde o ter é mais importante do que crer ou esperar. Em qualquer sensação de infelicidade deve ser buscada a causa na oração, e que pode ser um chamado de Deus urgente para a pessoa, de que ela não sabe totalmente de que esta no rumo certo.


Sem direito de sofrer
Dworkin e Monica questionam um dogma da sociedade contemporânea: a obrigação de ser feliz. Não há espaço para um dia de mau humor ou um momento de crise. O padrão é a felicidade incondicional. "As pessoas não têm mais o direito de sofrer. Então, sofre-se em dobro", adverte o escritor francês Pascal Bruckner no livro A EUFORIA PERPÉTUA (ED. BER - TRAND BRASIL). De acordo com o autor, a felicidade deixou de ser um direito para se tornar um dever a partir do século 18, inversão que se consolidou no século 20, depois de 1968, quando o prazer passou a ser o principal valor da sociedade ocidental . Daí houve uma distorção no conceito de felicidade, hoje ligado a uma sucessão de episódios efêmeros de bem estar e emoções de curto prazo.

Comentário do site: O verdadeiro amor e esperança foram substituídos por sensações que preferiram dar o nome de amor. Foi então na época (1968 pra frente) da revolução do sexo desordenado, que deram o nome de "amor" a essa liberdade sexual como se isso fosse conquista do homem "moderno", mas não passa de cego conhecimento do ser humano de si próprio e sobre o que move seus relacionamentos. E a Igreja sempre condenou essa liberdade sexual desenfreada porque sempre desvendou que o homem não pode ser escravo da carne porque é pelo Espírito Santo (Onisciência Divina) que revela e conhece o que realmente procura o homem.


Quem não corresponde à exigência de ser feliz é tido como doente. Para cada estado de espírito, confundido com sintoma, há uma solução fácil: a tristeza é aliviada com antidepressivos; a ansiedade, com tranqüilizantes. Por isso, entre 2001 e 2005 ocorreu uma explosão no consumo de psicotrópicos no Brasil, sobretudo entre mulheres, conforme pesquisa do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas realizada em 108 cidades. "A mulher tem mais probabilidade de sair de um consultório com uma receita de tranqüilizante ou antidepressivo que o homem", avisa a psiquiatra Florence Kerr Corrêa, da Faculdade de Medicina da Unesp em Botucatu (SP). As principais usuárias têm entre 35 e 45 anos, estão insatisfeitas com o casamento, com o trabalho, com o corpo ou vivem sob tensão, diz a médica. A pedagoga Denise, 45 anos, casada, dois filhos, pode estar nessa lista: "Tomo Valium há dez anos. Sou preocupada: fico programando o dia seguinte e não consigo dormir. O remédio me ajuda a desligar, relaxar. Na escola onde trabalho, quase todas as mulheres usam algum remédio. Sei que fiquei de pendente, mas adoro tomar o tranqüilizante e desmaiar".

Comentário do site: Insatisfação com o casamento: a família hoje em dia é desprezada pela sociedade moderna, criam vários conceitos de família, o trabalho virou a marca do viver para si e pelo materialismo. Diz o livro de um psiquiatra famoso que na frase que Cristo disse: "Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias." (Mt 6,34) É grande solução para os que vivem sem esperança (depressivos) e são ansiosos, como a pedagoga disse acima: "Sou preocupada: fico programando o dia seguinte"



Prescrição excessiva
O pior é que nem os pequenos escapam. No ano passado, 1,6 milhão de crianças e adolescentes americanos tomaram pelo menos duas drogas psiquiátricas combinadas. No Brasil, alunos com dificuldades de aprender são medicados com o polêmico metilfenidato (Ritalina), que trata o déficit de atenção e a hiperatividade. "Às vezes é necessário", diz a psicopedagoga paulista Adriane Cirelli. "A reflexão e o pensar, que pareciam inatingíveis, tornam-se possíveis. Mas há crianças apáticas devido aos remédios." Ela explica que as drogas atrapalham quando são pretexto para acomodação familiar: medicou, tudo está resolvido.
Um trabalho divulgado em abril concluiu que 25% dos ,diagnósticos de depressão estão errados. Após acompanhar 8 mil americanos, o professor Jerome Wakefield, da New York University, percebeu que uma entre quatro pessoas aparentemente deprimidas na verdade sofria de tristeza profunda decorrente de separação, desemprego ou prejuízos nos negócios.

Comentário do site: Tristezas "decorrente de separação, desemprego ou prejuízos nos negócios" A separação novamente uma das causas, no qual a sociedade de hoje tão materialista desvaloriza o próximo, enquanto a "independência" da pessoa é exaltada. Quantas vezes os Papas tiveram que lutar teologicamente e filosoficamente contra esta destruição da família e o materialismo. A solução é a doutrina Cristã Católica que sempre soube entender o homem pelo Espírito e pela grande experiência de atuação.

Porque foi profetizado para os nossos tempos: "nos últimos dias haverá um período difícil. Os homens se tornarão egoístas, traidores, insolentes, cegos de orgulho, amigos dos prazeres e não de Deus" (2Tm 3,1).

Quem procura a oração e o Espírito Santo: "o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade" (Gl 5,22)

 

"Não dá para cair na armadilha de tratar a tristeza e banalizar o uso dos remédios", afirma o psiquiatra Leonardo Gama Filho, chefe do Serviço de Saúde Mental do Hospital Municipal Lourenço Jorge, no Rio. Eles têm efeitos colaterais: o tranqüilizante pode causar dependência física e danos à memória se não for usado com critério e por tempo determinado. Os antidepressivos engordam, provocam queda do desejo sexual, náuseas e prisão de ventre.
Segundo a psiquiatra Elisabeth Sene-Costa, autora do livro UNIVERSO DA DEPRESSÃO - HISTÓRIAS E TRATAMENTOS PELA PSIQUIATRIA E PSICODRAMA (ED. AGORA), a prescrição excessiva deve ser avaliada sob duas perspectivas: a do paciente, que, desesperado com o sofrimento, espera soluções rápidas, como num apertar de botões; e a do médico, que introduz logo o remédio por não suportar a ansiedade declarada. Com a "pílula da felicidade" a "melhora" é rápida. Mas, quando vier uma nova crise, é provável que o paciente necessite outra vez da "magia", sem aprender a lidar com os próprios problemas.

Comentário do site: Lembrando que não devemos nos perder no egocentrismo: "É maior felicidade dar que receber!" (Atos 20,35).

Quaisquer meditações seriam soluções? As meditações modernas (como o yoga) são como uma espécie de hipnose ou sono no qual a pessoa pretende apagar todo tipo de pensamento para se chegar a um tal "nirvana", pura fuga, no qual impede a pessoa de dialogar com Deus, no qual é no dialogo com Deus que é pessoa e no qual Ele escuta cada pessoa e se manifesta a ela porque ama a cada um como filho único: "Porque és precioso a meus olhos, porque eu te aprecio e te amo, permuto reinos por ti, entrego nações em troca de ti"(Is 43,4)


Olhar para si
Entender as próprias necessidades e dar prioridade ao que lhe faz bem são as sugestões da filósofa Monica Aiub para passar longe dos remédios. Invista em autoconhecimento e previna-se contra a depressão:
-Converse com um amigo, alguém que não julga nem diz o que deve ser feito. Apenas ajuda a ver a situação por outro ângulo - e você toma as decisões.
-Faça psicoterapia. Você descobrirá o que a deixa triste ou ansiosa. Sabendo como funciona seu interior, mobilizará recursos para reverter o quadro. (o site recomenda o livro Tecendo o Fio de ouro: http://www.edicoesshalom.com.br/loja/produto.php?produto_id=37&ctg=1 )
-Controle o stress. (nessa parte foi recomendada meditações modernas como yoga, mas nós recomendamos orações que são diálogos com o Deus de todas as coisas o único que vê o que é oculto e que tem poder.) Essas atividades favorecem o equilíbrio emocional e contribuem para o alívio das tensões.
-Pratique exercícios físicos. Nade, ande ou dance. Os movimentos estimulam a produção de endorfinas, mensageiros químicos que geram bem-estar.
-Drible a rotina. Tente trabalhar com prazer. Descanse, reserve momentos para conversar com a família, leia bons livros, vá mais vezes ao cinema.


Quando tomar
Luto, tristeza e irritação devem ser medicados quando a situação se arrasta indefinidamente, sinal de que pode estar sendo complicada pela depressão, informa o psiquiatra Leonardo Gama Filho. "O que vai determinar se alguém precisa ou não de tratamento é a intensidade das manifestações." Ficar arrasado porque terminou um casamento é natural. Mas, com o tempo, a pessoa tende a elaborar a perda, e a vida segue adiante. Quem está deprimido continua imobilizado: a tristeza é desproporcional e toma conta da vida, mexendo com o apetite, o sono, a memória e a capacidade de concentração. Isso é depressão, quarta causa de incapacitação, segundo a Organização Mundial da Saúde. No quadro, há ainda pessimismo, perda de prazer, sensação eterna de vazio. Nos casos mais graves, diz Gama Filho, a medicação é necessária para afastar o risco de suicídio.

Sinaisdostempos.org



Este artigo foi útil?
Sim Não

Envie por email, adicione aos favoitos e compartilhe com outras redes sociais, com esse serviço seguro e conhecido:
Faça comentários:
  Sobre o site | Mapa do site | Ajude o site | Contato | 2011 - Site Católico e Apostólico Romano. Criado em 2005