Ameaça contra a Missa: Falso ecumenismo

Um dos maiores erros é daqueles que se declaram acima de católico, um "cristão primitivo"e ao mesmo tempo "livre de barreiras do denominacionalismo" o que já é uma contradição já que se livra de denominação acaba por inventar outra nova que é o "Cristão primitivo". Cristão primitivo seria um provável adepto da Sola Scriptura, que desconhece de que mesmo os cristãos primitivos possuíam a tradição e sabiam interpretar a Bíblia.

Cristão primitivo não existe, porque cada seita, igreja protestante, ou religião não cristã, vai estar sempre dizendo que fazem conforme o cristianismo primitivo, mas contraditoriamente cada vez mais uma diferente da outra e dificultando mais o ecumenismo. Deve-se voltar para aquela (Igreja Católica) que guarda toda Verdade revelada e confirmada pela teologia, lógica, história, arqueologia e etc.

Dizem também que qualquer Igreja seria um ramo da mesma videira que é Jesus Cristo (Jo 15, 1-8), já seria uma contradição, em achar que Cristo consideraria qualquer credo como parte dele. Ele diz nessa passagem: "Permanecei em mim e eu permanecerei em vós" (v. 4) e tais seitas mal aceitam Jesus Cristo e ainda por cima, há aquelas que divergem do que Cristo ensinou de como chegar a ele (Protestantes), e já não permanecem no Senhor, estão afastadas.

Mas o maior perigo desse falso ecumenismo que andam espalhando é quererem modificar a Santa Missa, ao gosto protestante e maçônico, ao jeito mais humanista possível, tirando dela o caráter de Sacrifício, que é essência da Missa.

Vejamos o que diz a Santa Sé:

A doutrina tradicional do ecumenismo esta estabelecida na Instrução Sobre o movimento ecumênico promulgada pelo Santo Oficio em 20 de dezembro de 1949 (no AAS, 31 de Janeiro de 1950), que retoma o ensinamento de Pio XI na encíclica Mortalium animos. Se estabelece que então:

Primeiro: "A igreja Católica possui a plenitude de Cristo" e não tem que aperfeiçoa-la por obra de outras confissões.

Segundo: Não se deve perseguir a união por meio de uma progressiva assimilação das diversas confissões de fé, nem mediante uma acomodação do dogma católico a outro dogma.

Terceiro: A única verdadeira unidade das Igrejas pode realizar-se somente com o retorno (per reditum) dos irmãos separados à verdadeira Igreja de Deus.

Quarto: Os separados que retornam a Igreja Católica não perdem nada de substancial de quanto pertence a sua profissão particular,antes o reencontram idêntico em uma dimensão completa e perfeita ("completum atque absolutum").

O segundo item já da uma dimensão dos erros que andam praticando sobre a Missa, em que "Não se deve perseguir a união por meio de uma progressiva assimilação das diversas confissões de fé" ora, a Missa só existe na Igreja Católica e na ortodoxa, os protestantes e não-cristãos querem tirar da Missa algo que eles não entendem, a Cruz que é loucura para os sábios, e escândalo para os doutos e os soberbos. E os sábios desse mundo que fazem essa destruição da Missa hoje não suportam a linguagem da Cruz, porque para eles não existe pecado para ser redimido pela cruz, e se acham que existe, eles pensam que é coisa do passado, quando na verdade a atualização do sacrifício é perpétuo, é o Sacrifício da nova e eterna aliança.

Vamos ver o que diz Nossa Senhora em mensagens ao mundialmente conhecido Padre Gobbi: "É na sua Igreja que Jesus renova o Sacrifício da Redenção, comunica o dom da sua Graça e tira, com o seu perdão, todo o pecado e o mal do mundo" e "É na sua Igreja Crucificada que Jesus se torna salvação para a humanidade, destes últimos tempos da purificação e da grande tribulação" É conforme também os santos da Igreja disseram que a Igreja Católica quem se sacrifica para a salvação dos que não crêem, e os frutos da missa conforme a primeira citação quem repara pelo mundo: "O seu Sacrifício que se renova a cada momento, do nascer ao por do sol, dá sempre ao Pai uma justa reparação, faz descer em toda parte o orvalho da sua graça divina, comunica no seu Espírito o fogo do amor, renova os corações e as almas de todos." (14.09.1995)

E esses homens soberbos, orgulhosos que consideram o Sacrifício de um Deus na Cruz coisa comum que já passou, se esquece que todo o pecado dele foi colhido e pago na Cruz, um Deus que fez até essa humilhação, para mostrar aos soberbos que também estavam la zombando de Jesus, que só Jesus é manso e os soberbos se arrependerão de sua agressividade porque é como se eles estivessem la, humilhando um pobre profeta qualquer, indefeso e sem casa.

Umas das causas e motivos que andam usando para substituir a Missa por atos ecumênicos celebrações ecumênicas e minimizá-la de alguma forma:

1. Teoria do resgate - Estariam resgatando a forma antiga de celebrar, conforme comentado anteriormente, qualquer religião protestante, e não cristãos como a maçonaria, espírita e outros usam para justificar tal babel histórica. Falta no mínimo conhecimento de história dessas pessoas.

2. Substituir o Sacrifício perpétuo da Missa por noções baixas de amor - Ora, o próprio Sacrifício de Jesus na Cruz foi o maior ato de amor por nós e por isso fomos salvo. O Sacrifício da Missa é o mais alto ato de adoração há um Deus que se doa completamente. Sobre isso será explanado em outro artigo

3. Ecumenismo com hipocrisia - Querem que substituição da Missa por tal celebração ecumênica seja um motivo para unir as divergentes doutrinas. Mas porque fazer isso destruindo a Missa Católica ? Não poderiam fazer suas reuniões outro horário ? Ou então assistirem a Missa e depois fazerem suas reuniões ecumênicas ?

4. A Missa representaria a ceia para conscientizar da alimentação dos mais pobres - Um conceito condenado, e que nem os protestantes são levados por tal demagogia, os protestantes celebram o teatro da ceia. Mais do que a missa, isso pretenderia ser a conscientização de participação de todos na distribuição da riqueza material, além de ser algo marxista, desrespeita Jesus em seu Sacrifício que é a fonte eterna de graças que flui da Cruz.

5. Má interpretação da Ceia de Jesus - Incitados por alguma sociedade secreta e hereges, têm a noção de que a Missa seria uma simples refeição ou comemoração judaica, inclusive pensava os protestantes, além de quererem beber da teoria do resgate, aplicam um absurdo teológico na Missa.

6. Ecumenismo maçônico - A nova ordem mundial e sua política para unificar todas religiões, com o único objetivo de acabar com o que sustenta o mundo que é o Sacrifício de Jesus na Missa. Adotam ecumenismo de falsas trindades pagãs de vários povos, tentando inventar supostas trindades. E querem colocar seu triângulo com olho o meio fazendo assim uma grande expressão ecumênica, é o mesmo que mandar adorar baal e dizer que era uma antiga representação de Deus, e baal significa senhor.

Sinaisdostempos.org


Data: 04/05/2011

Este artigo foi útil?
Sim Não

Siga o Twitter do site
Envie por email, adicione aos favoitos, imprima e compartilhe com outras redes sociais:
-->

Faça comentários:


  Sobre o site | Mapa do site | Ajude o site | Contato | 2011 - Site Católico e Apostólico Romano. Criado em 2005